DE TUDO VAI ROLAR

Viver e Curtir a cidade, gastando pouco ou quase nada! (By Ney Mourão) Siga o instagram: blogdetudovairolar – Aos Sábados, às 10h, 14h, 16h e 18h, dicas nacionais, pela RÁDIO 107 Ativa na Web (Baixe o aplicativo na Play Store ou ouça em https://www.radios.com.br/aovivo/107-ativa/65889)

Grupo Teatro Negro e Atitude faz curta temporada com espetáculo de reflexão sobre as questões do povo negro

a toque de caixa

Em comemoração aos 25 anos de trajetória o Grupo Teatro Negro e Atitude estreia no dia 19 de maio o espetáculo “A Toque de Caixa!” Pessoa. Invisibilizada. Negra.  Guardiã de Ancestralidade”.  Nos palcos desde 1993, o Teatro Negro e Atitude foi idealizado para proporcionar o protagonismo à periferia, à favela e aos negros e negras na cena artística da capital  mineira. Durante essas duas décadas e meia o grupo levou até ao público uma
manifestação cultural pouco explorada no país evidenciando textualidades, corporeidades e musicalidades existentes na cultura afro-brasileira em busca de um “teatro negro” que tenha por princípio a descolonização de sua ética, poética e estética.

No mês que completa 130 anos da assinatura da lei áurea o grupo traz uma reflexão sobre identidade, raça e mercado de trabalho com a peça “A Toque de Caixa!” Pessoa. Invisibilizada. Negra. Guardiã de Ancestralidade”  ficando em cartaz nos dias 19 e 20 de maio, sábado e domingo, às 19h30 no Teatro Francisco Nunes (Parque Municipal – Av. Afonso Pena) e nos dias 24 e 25 de maio, quinta e sexta-feira, às 19h30 na Kolping Minas Caixa (Rua Padre Adolfo Kolping, 170 – Minascaixa).

A entrada é GRATUITA. Na apresentação dos dias 24 e 25 de maio, o ingresso deverá ser trocado por um produto de limpeza.

O espetáculo conta a história de um sobrevivente. Homem. Preto. Pobre. Catador de papelão. Seu ofício é de 16 horas por dia. Recebe 79,00 reais por uma tonelada. Eis seu fardo. Está farto! Carrega, empurra, pega, levanta e cata caixa. Mesmo com o corpo enquadrado, massificado, invisibilizado, encaixotado… Continua em trabalho… É preciso se manter de pé. Em meio à cidade, patrões, caixas e papelões “ele” desperta sua identidade cultural, racial, social, humana… Ancestralidades. Eis a metamorfose e a revolução dos corpos. Eis a história de quando os corpos se levantam e param a máquina.

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Informação

Publicado em 14 14America/Sao_Paulo maio 14America/Sao_Paulo 2018 por em Teatro.
%d blogueiros gostam disto: