DE TUDO VAI ROLAR

Viver e Curtir a cidade, gastando pouco ou quase nada! (By Ney Mourão) Siga o instagram: blogdetudovairolar – Aos Sábados, às 10h, 14h, 16h e 18h, dicas nacionais, pela RÁDIO 107 Ativa na Web (Baixe o aplicativo na Play Store ou ouça em https://www.radios.com.br/aovivo/107-ativa/65889)

Artista Léo Piló expõe presépio original e criativo na Casa Fiat de Cultura

[Fotos: Bia Starling]

É muito comum, nesta época do ano, surgirem críticas quanto ao chamado “espírito natalino” que, para muitos, apenas reproduz valores e uma estética importada, que não tem a ver com o o nosso contexto. Bem… E que tal um presépio diferente, bem brasileiro, tanto em seu conceito quanto nos materiais empregados?

Presépio Colaborativo da Casa Fiat de Cultura 2017_foto Bia Starling (3) (1).JPGEsta é a proposta da casa Fiat de Cultura, localizada na Praça da Liberdade. Após o grande sucesso de público dos anos anteriores, o Natal de Belo Horizonte ganha, mais uma vez, o Presépio da Casa Fiat de Cultura. O projeto deste ano conta com a curadoria do artista plástico Leo Piló e  traz o tema povos ameríndios (índios brasileiros, Incas, Maias e Astecas), numa típica mata do cerrado. Com a colaboração do público, ele foi criado com materiais reutilizáveis, em ateliê aberto, com a participação de mais de 300 pessoas. Agora, com a construção já finalizada, o presépio está em exposição ao público, até o dia 7 de janeiro de 2018, com entrada gratuita.

 Assim como nas edições anteriores, o público foi convidado a “pôr a mão na massa”. De 1º a 26 de novembro, quem passou pela Casa Fiat de Cultura teve a oportunidade de participar de ateliê aberto com o artista Leo Piló, para confeccionar os elementos que compõem o presépio e conversar sobre quais seriam os presentes que o menino Jesus deveria ganhar de Três Reis Magos ameríndios. Na visão do artista, “esse processo de construção coletiva é extremamente enriquecedor, trazendo pluralidade para o presépio e novas experiências para os participantes”. Todo o material usado na criação – isopor, plástico, papéis e papelão – é reutilizável e foi fornecido pela Ilha Ecológica do Polo Automotivo Fiat, que tem um programa de reaproveitamento e reciclagem de 100% dos materiais descartados no processo de produção. A iluminação foi desenvolvida pelo Isvor Fab Lab e a Associação dos Catadores de Papelão e Material Reaproveitável (Asmare) também participou no fornecimento de materiais reutilizáveis. O tradicional presépio ganha, nesta proposta, outra perspectiva, a de valorizar nossas origens indígenas e, mais uma vez, a urgência da reciclagem como uma premissa da sociedade.

Presépio Colaborativo da Casa Fiat de Cultura 2017_foto Bia Starling (1).JPGPara 2017, Leo Piló escolheu, como tema, o nascimento do menino de uma família indígena na mata do cerrado. Além disso, o artista preparou outras duas novidades, uma relacionada ao formato dos personagens e outra ao uso dos materiais. Os Santos de Roca (tipologia de imagens sacras vestidas com trajes de tecido e que aparecem somente com cabeça, mãos e pés) foram substituídos pelos bonecos com estruturas de isopor. As roupas foram feitas em plásticos PEAD, provenientes de embalagens de produtos de limpeza, com diferentes cores e formatos, de modo a possibilitar a construção de novas estéticas. A composição dos personagens tem inspiração em índios brasileiros, da etnia Crahó, e civilizações pré-colombianas Maias, Incas e Astecas. Na entrada do Presépio, dando “boas-vindas”, um menino índio (como São João Batista) de olhar curioso com uma jaguatirica. A Sagrada Família, composta pelo menino Jesus, Maria e José, têm traços indígenas e são figuras mais sóbrias, dando alusão ao tom sagrado.

A exuberância está nos Três Reis Magos, cada um representando uma civilização pré-colombiana. Suas vestimentas são como armaduras, inspiradas nas criações do estilista Paco Rabanne, que usa plástico e metal em composições de roupas. Para Leo Piló, os Reis Magos simbolizam o poder e domínio. “Um dos reis aponta o dedo para cima, para a estrela-guia, que também é novidade desta edição. Talvez, o único símbolo que usa a estética típica do Natal, bem chamativo e dourado”, descreve o artista.

Todos estes personagens estão numa densa mata, com fauna e flora típica do cerrado, parda, criada com papel craft. São cerca de 20 grandes árvores, entre coqueiros e bromélias. Os animais também são representados, com diversos passarinhos e outros pequenos bichos. Já as folhas das árvores são reutilizações do alumínio do Presépio da Casa Fiat de Cultura de 2016.

Um espetáculo visual, que não pode deixar de ser visto!

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Informação

Publicado às 29 29America/Sao_Paulo novembro 29America/Sao_Paulo 2017 por em Exposições e marcado , .
%d blogueiros gostam disto: