DE TUDO VAI ROLAR

Viver e Curtir a cidade, gastando pouco ou quase nada! (By Ney Mourão) Siga o instagram: blogdetudovairolar – Aos Sábados, às 10h, 14h, 16h e 18h, dicas nacionais, pela RÁDIO 107 Ativa na Web (Baixe o aplicativo na Play Store ou ouça em https://www.radios.com.br/aovivo/107-ativa/65889)

Flávio Renegado terá repertório executado pela Orquestra de Câmara SESIMINAS

Selo “Imperdível” do blog, com certeza!!!
imperdivel-menor

flavio renegado

Foto: Daryan Dornelles

Renegado já é figurinha carimbada em divulgações aqui no blog. De shows em espaços convencionais da cidade ao palco do Festival Gastronômico de Favelas, o blogueiro não esconde sua admiração. Sempre surpreendente e criativo Flávio Renegado volta a trazer um novo motivo de encantamento para nossos ouvidos e corações.

Violino, viola, cello e piano vão trocar as partituras eruditas pelo rap. As letras e músicas melódicas com tom romântico e crítica social de Flávio Renegado vão ganhar novos arranjos e uma apresentação imperdível na Sala Minas Gerais, dia 18 de novembro, sábado, às 20 horas. O concerto tem arranjos do maestro Marcelo Ramos, regência do maestro Marco Antônio Maia Drummond e a interpretação da Orquestra de Câmara SESIMINAS. No palco, um passeio pelo repertório do artista desde o álbum “Do Oiapoque a Nova York” (2008) até “Outono Selvagem” (2016).

Suite Masai éuma experiência pioneira e, ao mesmo tempo, um desejo antigo do artista que assina sucessos como “Suave”, “Minha Tribo é o Mundo”, “Rotina”, “Maldita” e “Relatos de Um Conflito Particular”. Voz potente e plural, Flávio Renegado não dispensa desafios e quer ressignificar o espaço predominante frequentado pelo público de música clássica e erudita, que é a sede da Orquestra Filarmônica de Minas Gerais. “Do morro vem o que você não esperava. O povo negro com o poder da palavra”, como ele já cantou.

Masai é o indivíduo de um povo africano. Seminômade que habita no norte da Tanzânia, no centro e no sul do Quênia. Masai é a descendência de Flávio, que mergulhou em pesquisas acerca desse guerreiro e exímio caçador que busca o respeito da tribo e o alcance dos sonhos. A mãe África é a base criativa para a composição deste espetáculo inovador no qual as rimas se unem às melodias da periferia e aos acordes. Os figurinos são assinados por Matheus Couto, a luz é de Gabriel Pederneiras (Grupo Corpo) e toda a ambientação e concepção partem de Flávio Renegado, que coloca a ancestralidade em diálogos com o presente e o futuro.

São 15 músicas, das quais 10 são de autoria de Flávio Renegado.  As releituras mostram o leque de influências do rapper: Márcio Borges, um dos “sócios” do Clube da Esquina, o multi-artista Moacir Santos, Luiz Melodia e Vander Lee, dois nomes singulares na história da MPB. O concerto terá participações especiais dos cantores, compositores e instrumentistas Maurício Tizumba, Sérgio Pererê, da violista Nath Rodrigues e da poeta Mel Duarte. A Sala Minas Gerais vira espaço para celebrar Zumbi, Dandara e a Consciência Negra.

Ingressos a partir de 15 Reais, podem ser adquiridos aqui.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Informação

Publicado às 14 14America/Sao_Paulo novembro 14America/Sao_Paulo 2017 por em Música e marcado , .
%d blogueiros gostam disto: