DE TUDO VAI ROLAR

Viver e Curtir a cidade, gastando pouco ou quase nada! (By Ney Mourão) Siga o instagram: blogdetudovairolar – Aos Sábados, às 10h, 14h, 16h e 18h, dicas nacionais, pela RÁDIO 107 Ativa na Web (Baixe o aplicativo na Play Store ou ouça em https://www.radios.com.br/aovivo/107-ativa/65889)

Espetáculo de dança de Rondônia retrata o cotidiano das comunidades ribeirinhas amazônicas

dagua e lama

Belo Horizonte recebe nos dias 04 e 05 de outubro (quarta e quinta-feira), às 19h30, o espetáculo de dança contemporânea “D’água e Lama”, da Cia de Artes Fiasco, de Porto Velho, Rondônia. Inspirado no cotidiano de comunidades ribeirinhas amazônicas, o trabalho será apresentado no auditório da Escola de Belas Artes – EBA/UFMG (Campus Pampulha), com entrada gratuita. O projeto ainda contará com exposição fotográfica de Michele Saraiva, cuja pesquisa imagética às margens do Rio Madeira deu origem à montagem. Após as apresentações, o público ainda poderá participar de um bate-papo com artistas da companhia e professores da UFMG.

Projeto contemplado pelo Prêmio Funarte de Dança Klaus Vianna 2015, a concepção do espetáculo surgiu a partir da pesquisa fotográfica em comunidades existentes à beira do Rio Madeira em Rondônia, entre 2012 e 2014. O material foi desconstruído e transformado em dança pela Cia de Artes Fiasco numa imersão que apresenta ao público a vivência do povo ribeirinho. Nesse sentido, as sensações e experiências dos “beradeiros” são transpostas para o corpo das bailarinas – Cecí e Gisele Stering – através dos elementos água e lama. O contato com a natureza, o movimento do banzeiro, o calor do sol, o vento e a chuva também se mostram presentes no espetáculo, fazendo com que o público se transporte para dentro dessa realidade tão diferente do cotidiano das grandes metrópoles.

O tempo ribeirinho é singular nas localidades beradeiras, um tempo em câmera lenta, ampliado, diferente do tempo urbano, chamado “minuto de relógio grande” pela Cia – oposição que também é evidenciada nos movimentos das intérpretes. “D’água e Lama” é um retrato das pessoas que vivem e sobrevivem na beira do rio se adaptando a todas as singularidades desses territórios.

Além do espetáculo com entrada gratuita, o público belorizontino poderá conhecer parte deste processo de criação com a instalação da fotógrafa Michele Saraiva, que também é bailarina e assina a produção da montagem. A exposição estará em cartaz na Escola de Belas Artes da UFMG nos dias de apresentação do espetáculo “D’água e Lama”, que ainda teve como desdobramento a publicação de um livro com os registros fotográficos, o cotidiano estudado e o diálogo com as cenas da montagem de dança.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Informação

Publicado às 2 02America/Sao_Paulo outubro 02America/Sao_Paulo 2017 por em Dança e marcado , , .
%d blogueiros gostam disto: