DE TUDO VAI ROLAR

Viver e Curtir a cidade, gastando pouco ou quase nada! (By Ney Mourão) Siga o instagram: blogdetudovairolar – Aos Sábados, às 10h, 14h, 16h e 18h, dicas nacionais, pela RÁDIO 107 Ativa na Web (Baixe o aplicativo na Play Store ou ouça em https://www.radios.com.br/aovivo/107-ativa/65889)

Na terça-feira (25/04), o Conservatório UFMG apresenta uma programação imperdível

conservatorio-de-musica-ufmg.jpg

O prédio do Conservatório compõe o acervo arquitetônico antigo da Avenida Afonso Pena e é um dos mais belos da região.

No dia 25/04, terça-feira, às 20h, o auditório do Conservatório de Música UFMG (Av. Afonso Pena, 1534 – Centro), no projeto Conexões Musicais recebe Quatuor pour la fin du temps ou Quarteto para o Fim dos Tempos, é uma composição camerística datada de 1941 do francês Olivier Messiaen, considerada uma  20 mais belas entre as composições clássicas e cuja história da criação tem um valor histórico e simbólico incrível. Sua formação instrumental é composta de clarinete em si bemol, violino, violoncelo e piano.

A entrada é GRATUITA!

Sobre Olivier Messiaen

Em setembro de 1939 a França entrava na Segunda Guerra Mundial quando Messiaen foi chamado para exército e poucos meses depois, em maio de 1940, durante uma ofensiva alemã, foi capturado pelo inimigo. Junto a outros prisioneiros, foi levado ao campo de concentração Stalag VIII A de Görlitz (na fronteira sudoeste da Polônia), onde sobreviveu por um ano. O oficial nazista, responsável pelo Stalag, era amante de música e, quando soube das competências de Messiaen (como de outros três prisioneiros músicos), deixou que o compositor trabalhasse a fim de fazer um concerto no campo de concentração. Messiaen escreveu inicialmente, para musicistas conhecidos na prisão (um violoncelista, um violinista e um clarinetista), um breve trio, que posteriormente foi inserido na obra como quarto movimento e, depois, com o acréscimo de uma parte para piano, que foi tocado pelo próprio Messiaen, realizou o Quarteto.

Quatuor pour la fin du temps foi concluído no início do novo ano. Foi tocado no dia 15 de janeiro de 1941, sob a neve e em condições muito difíceis, diante de todos os prisioneiros do Stalag VIII A reunidos em um pátio gelado. Os outros músicos que participaram da estréia foram Henri Akoka (clarinete), Jean le Boulaire (violino) e Étienne Pasquier (violoncelo). Nenhum dos três era músico profissional.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Informação

Publicado em 21 21America/Sao_Paulo abril 21America/Sao_Paulo 2017 por em Música.
%d blogueiros gostam disto: